terça-feira, 26 de janeiro de 2016

32° dia de Punta Del Este a Praia do Cassino 380 km

Dia 11 de janeiro de 2016



                Desmontei o acampamento e fui pra estrada, rodei por uns 20 km e peguei a ruta 9 que leva ao Brasil, fui até Rocha parei para abastecer e usar o wi-fi. Enquanto estava atualizando minha família de minha localização veio um senhor pergunta de onde eu estava vindo e pra onde estava indo, falou também que era motociclista, me deu parabéns e foi embora. Tinha ali no posto também um casal em uma Vstron, enquanto a mulher foi no banheiro o cara ficou sentado lá fora, com uma cara de cansaço e de que algo não estava bem, talvez o estresse da viagem, estavam voltando pro Brasil. Peguei a estrada sentido litoral novamente para ir até La Paloma, indicação de uma amiga, no meio do caminho passa por mim um Chevrolet Cruze e o motorista fazendo uns sinais com o braço pra fora da janela, então ele reduziu e encostou, encostei também, era o senhor que falou comigo no posto. Ele saiu do carro e perguntou se eu não conhecia o sinal que ele tinha feito, sinal de parar na linguagem dos motociclistas, falei que não. Então ele pediu pra tirar uma foto, pois tinha falado por telefone com a esposa dele e falou de mim pra ela e ela não acreditou, ele queria mandar a foto pra ela. Ele tirou a foto, conversamos mais um pouco, ele falou que tinha uma Yumbo 250cc e que no Uruguai  e não é fácil ter moto e que quem tem uma 250 cc já sofre para pagar impostos e abastecer, nos despedimos novamente e seguimos viagem na mesma direção. Cheguei na cidade e fui procurar o farol, muito bonito por sinal e com uma praia bonita também.


          De La Paloma segui para cabo Polônio, vi em um panfleto que tinha lobos marinhos lá, chegando em cabo Polônio vi que não era uma cidade e sim um parque, como o das cataratas, que se paga pra estacionar e para entrar, só o estacionamento custava R$20,00, ai nem quis mais ver o preço da entrada e fui embora, voltei para a ruta 9 e em um posto abasteci novamente com apenas o suficiente pra chegar ao Brasil, pois a gasolina era cara. No caminho passei no forte Santa Tereza que também já tinham me indicado em  outra viagem e eu não visitei. Fui até lá e foi cobrado 4 reais pela entrada. O forte é realmente muito bonito e todo restaurado e conta a historia de como tudo funcionava na epoca com muitas coisas de época.













         Passei pela aduana e não vi um lugar onde eu poderia fazer a saída do Uruguai. Parei no primeiro posto que vi do lado brasileiro e perguntei sobre a aduana onde se fazia a saída do país, me responderam que era no mesmo lugar que fazia a entrada. Voltei até lá fui no guichê e perguntei pro cara onde se dava a saída do país, ele pediu os papeis de entrada e jogou no lixo e mandou eu seguir. Achei uma palhaçada.


               Voltei pro Chuí e fui procurar um buffet para matar saudade da comida brasileira. Parei no primeiro perguntei quanto era e era 32 reais o buffet livre, mesmo achando caro ia comer ali, o garçom estava limpando a unica mesa vaga, com 4 cadeiras, falei que ia almoça e o cara perguntou se era só eu, falei que sim, ele falou que só um não ia poder almoçar. Virei as costas e fui embora. Depois fique pensando... "Estou no Brasil, aqui tem a lei de defesa do consumidor e eles eram obrigados a me servir, pois eu ia pagar a vista em dinheiro. Rodei mais um pouco procurando restaurante, achei uma churrascaria que pediu R$75,00 pelo almoço, ai era muito caro. Fui trocar o óleo e perguntei sobra algum buffet, me indicaram um a duas quadras dali. Fui lá, era 33 reais. Me servi com um prato bastante farto e depois repeti e ainda comi duas sobremesas. Tirei a barriga da miséria.
               Depois de almoçar parti para a praia do cassino realizar um sonho antigo, que era de percorrer a maior praia do mundo. Cheguei na praia e rodei uns 10 km até Santa Vitória do Palmar e tive que sair da praia e contornar pela cidade uma parte onde a entrada de veículos é proibida para depois pegar a praia novamente. Segui pela praia até o entardecer. A gasolina já estava acabando e o sol já estava se pondo e eu avistando o parque eólico de Rio Grande e decidi que o que caso ocorresse uma das três opções eu iria parar para acampar: Acabar a gasolina, o sol se por ou eu chegar ao parque eólico. A gasolina acabou primeiro. Parei e acampei.
               Rodar na praia foi muito legal, passei por alguns pequenos rio, animais marinhos mortos, golfinho, lobos marinho, tartarugas e peixes de todos os tamanhos.







Leão marinho







Perfeita a vista da barraca